FARMACIA DE PLANTAO
FARMACIAS DE PLANTAO : GENERICA XAUMAR ENDEREÇO: RUA PRESIDENTE GETULIO VARGAS N. 122 LOJA N. 3 - TELEFONE - ( 3261- 1038 ) CENTRO DA CIDADE - SAO JOAO NEPOMUCENO MG - CEP 36680-000 - APROVEITE O MELHOR DE NOSSA PROGRAMAÇAO EM QUALQUER LUGAR - NAVEGUE EM NOSSO SITE E CONHEÇA MAIS ; TUDO QUE ROLA NA NOSSA EMISSORA !
SANTO DO DIA
08/03/2019 00:25 em FE E RELIGIAO

SÃO JOÃO PAULO II (1920-2005) Karol Wojtyła nasceu a 18 de Maio de 1920 em Wadowice, na Polónia meridional, onde viveu até 1938, quando se inscreveu na faculdade de filosofia da Universidade Jagelónica e se transferiu para Cracóvia. No Outono de 1940 trabalhou como operário nas minas de pedra e depois numa fábrica química. Em Outubro de 1942 entrou no seminário clandestino de Cracóvia e a 1 de Novembro de 1946 foi ordenado sacerdote. A 4 de Julho de 1958, Pio XII nomeou-o bispo auxiliar de Cracóvia. Recebeu a ordenação episcopal a 28 de Setembro seguinte. Como lema episcopal escolheu a expressão mariana Totus tuus de são Luís Maria Grignion de Montfort. Primeiro como auxiliar e depois, a partir de 13 de Janeiro de 1964, como arcebispo de Cracóvia, participou em todas as sessões do concílio Vaticano II. A 26 de Junho de 1967 foi criado cardeal por Paulo VI. Em 1978 participou no conclave convocado depois da morte de Montini e no sucessivo após o inesperado falecimento de Luciani. Na tarde de 16 de Outubro, depois de oito escrutínios, foi eleito Papa. Primeiro Pontífice eslavo da história e primeiro não italiano depois de quase meio milénio, desde o tempo de Adriano VI (1522-1523). Personalidade poliédrica e carismática, afirmou-se imediatamente pela grande capacidade comunicativa e pelo estilo pastoral fora dos esquemas. A têmpera e o vigor de uma idade relativamente jovem permitiu que empreendesse uma atividade intensíssima, ritmada sobretudo pelo multiplicar-se das visitas e das viagens: no total foram 104 internacionais e 146 na Itália, com 129 países visitados nos cinco continentes. Desde o início trabalhou para dar voz à chamada Igreja do silêncio. A insistência sobre os temas dos direitos do homem e da liberdade religiosa tornou-se assim uma constante do seu magistério. Tanto que hoje é largamente reconhecido o contributo relevante da sua acção para as vicissitudes que determinaram a queda do muro de Berlim em 1989 e o sucessivo colapso dos regimes filo-soviéticos. Neste contexto provavelmente insere-se o gravíssimo episódio do atentado do qual foi vítima a 13 de Maio de 1981 por obra do turco Ali Agca. Ao lado da polémica anticomunista, desenvolveu-se também uma leitura crítica do capitalismo, submetido a uma análise crítica em três das suas 14 encíclicas: a Laborem exercens (1981), a Sollicitudo rei socialis (1987) e a Centesimus annus (1991). Também foi assídua a sua actividade a favor da paz, que se entrelaça com a busca do diálogo com as grandes religiões — em particular com o judaísmo e com o islão — e com o novo impulso impresso no caminho ecumênico. Em 1983 promulgou o novo Codex iuris canonici e depois providenciou à reforma da Cúria romana com a constituição apostólica Pastor bonus de 1988. Favoreceu também a dimensão da colegialidade episcopal no governo da Igreja, sobretudo através da convocação de quinze sínodos dos bispos. Entre os números de um pontificado bastante longo — em segundo lugar por duração só ao de Pio IX (1846-1878) — podem ser mencionadas também as frequentes cerimónias de beatificação e canonização, durante as quais foram proclamados 1.338 beatos e 482 santos. Com o passar dos anos a atenção do Pontífice focalizou-se sobretudo na celebração do grande jubileu do ano 2000. O evento assumiu um significado altamente simbólico no âmbito da sua missão pastoral e teve uma forte importância penitencial, expressa de modo emblemático no dia do perdão (12 de Março). O encerramento do jubileu abriu a fase conclusiva do pontificado, marcada sobretudo pelo progressivo agravamento das condições de saúde do Papa, que depois de uma longa e angustiante agonia morreu na noite de 2 de Abril de 2005. Após 26 dias do seu falecimento, Bento XVI concedeu a dispensa dos cinco anos de expectativa prescritos permitindo o início da causa de canonização. Em 2009, o mesmo Papa Bento XVI o proclamou “Venerável” (decreto que reconhece suas virtudes heróicas), o que ajudou no processo de beatificação onde faltaria apenas a existência de um milagre para completá-lo que não demorou a ser reconhecido. Tratava-se do caso da irmã Marie Simon-Pierre, que curou-se do mal de Parkinson após intercessão do Papa João Paulo II). Sendo assim, em 2011, João Paulo II foi beatificado em meio a outro fato inédito, já que até então, nenhum papa tinha proclamado beato o seu antecessor. Em 2013, foi aprovado o segundo milagre atribuído a seu nome, a cura de uma mulher bem na noite de sua beatificação. Esse passo foi fundamental para o seu processo de canonização que agora finalizado faz por merecer toda a devoção e dedicação desse grande homem à Igreja Católica.

São Martinho de Dume Sâo Martinho nasceu em Panônia, atual Hungria. Foi para o Oriente, onde estudou grego e outras ciências eclesiásticas. Foi classificado, pelo Doutor Santo Isidoro, como ilustre na fé e na ciência. Gregório de Tours também o considerou um dos homens insuperáveis do seu tempo. Depois dirigiu-se a Roma e França. Quis visitar o túmulo do seu compatriota e homônimo, São Martinho de Tours, considerado seu patrono e modelo. Martinho planejou colocar em andamento seu apostolado. Num mosteiro, instalou uma escola de monaquismo, uma base de irradiação catequética e missionária. Com a subida do rei Teodomiro ao trono, em 559, firmava-se o catolicismo9, superando a heresia ariana. Martinho assume a Sé de Braga, em 569, quando o Catolicismo gozava de alto esplendor. Realiza-se o 1° Concílio de Braga, em 561, no pontificado de João III. Em 572, Martinho foi a alma do 2° Concílio de Braga. Nesta ocasião escreveu: “Com a ajuda da graça de Deus, nenhuma dúvida há sobre a unidade e retidão da fé nesta província”. São Martinho de Dume deixou vários escritos sobre as virtudes monásticas, matérias teológicas e canônicas, pelas quais foi declarado Doutor pela Igreja. Faleceu a 20 de março de 579. Foi sepultado na Catedral de Dume. Mas, suas relíquias estão na Sé de Braga

Bem-aventurado Contardo Ferrini Contardo Ferrini tinha extrema inteligência. Filho de Rinaldo e Luiza, ambos, desde cedo, cuidaram para o integral desenvolvimento de sua potencialidade. Seu pai, um professor e engenheiro, incutiu-lhe o desejo de buscar o conhecimento nas fontes verdadeiras e uni-lo à fé. Esta última parte sempre foi muito desprezada pela maioria dos intelectuais. Porém Contardo foi um dos juristas mais apreciados e um dos grandes romancistas do seu tempo. Um grande professor e intelectual, mas muito diferente e especial também. O que o tornava realmente destacado era sua dedicação religiosa, num tempo em que a Igreja atravessava profunda crise de fé e enfrentava grande oposição. Já era assim quando nasceu, no dia 5 de abril de 1859, em Milão, Itália. E continuaria sendo nas décadas seguintes. No plano intelectual, foi brilhante. Com dezessete anos, já havia estudado hebraico, siríaco, sânscrito, copta e iniciava o curso de Direito na Universidade de Pávia. Especializou-se em direito romano e para isso, além de estudar latim, grego e alemão, paralelamente aprendeu espanhol, inglês e francês. Laureado em 1880, como prêmio a universidade deu-lhe uma bolsa de estudos, o que proporcionou-lhe a oportunidade de estudar na Universidade de Berlim. Com vinte e quatro anos, já lecionava direito criminal e direito romano, viajando pelo exterior e realizando conferências e palestras. No plano espiritual, foi exemplar. Mesmo depois de aguentar e sofrer com as gozações dos companheiros de universidade por causa da religiosidade, foi crescendo na fé. Fez voto de castidade em 1881, e assistia à missa diariamente. Humilde, seu amor aos mais pobres o fez participar das obras da Sociedade de São Vicente de Paulo. Simples, seu amor à natureza – praticava alpinismo – o fez tornar-se terciário franciscano em 1886. Juntando os dois planos, foi um homem completo, amigo, solidário, lutador das causas contra o divórcio, dos excessos de materialismo e em defesa da infância abandonada. Especialmente, quando foi eleito conselheiro municipal de Milão. Vivia para os estudos, as aulas, a igreja e as orações solitárias em casa, mas estava sempre à disposição de todos os que o procuravam para pedir ajuda, conselhos e orientações pessoais. Nas férias, sempre viajava para Suna, uma região montanhosa destinada à pratica do alpinismo. Lá, conheceu um religioso apreciador e praticante desse esporte, Achille Ratti, mais tarde Pio XI, promotor de sua beatificação. Foi lá que contraiu a doença que o levou à morte em 17 de outubro de 1902, o tifo. Deixou um legado literário importante: os escritos jurídicos de Ferrini resultam nos cinco volumes conhecidos como “Obras de Contardo Ferrini”, os estudos espirituais chamados de “Escritos religiosos de Contardo Ferrini” e “A vida”. O Papa Pio XII beatificou-o em 1947. No mesmo ano, o Bem-aventurado Contardo Ferrini foi proclamado patrono da Faculdade Paulista de Direito, da Pontifícia Universidade Católica, e a Sala de Reuniões da mesma homenageia o seu nome. A celebração litúrgica em sua memória ocorre no dia de sua morte.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!